#BRPaisDigitalvsCovid

Fonte: Where to NEXT?

Em geral, os americanos não dormem bem e a realidade brasileira é parecida, segundo a Associação Brasileira do Sono (ABS), 75% dos brasileiros dormem mal. Em tempos em que todas as pessoas estão ansiosas, esperava-se que isso pioraria, porém, segundo dados da Fitbit, empresa de wearables, os americanos estão dormindo melhor agora que estão em quarentena. Os usuários de produtos da empresa estão dormindo entre 17 e 30 minutos a mais agora do que antes da pandemia.

Segundo a Fitbit, a qualidade do sono também subiu. Em sua escala de um a 100, baseada em duração do sono e valor recuperativo, as taxas das pessoas melhoraram uma média de 1.8 durante a crise da covid-19. Os usuários da Fitbit conseguem, em geral, entre 72 e 83. A empresa diz que esses pontos aumentaram, sobretudo, por conta da duração maior do sono, mas também houve melhoria no sono profundo dos usuários.

A Eight Sleep, que vende colchões com vários sensores, também afirma que as pessoas estão indo dormir na mesma hora que costumavam antes, mas agora estão acordando cerca de 26 minutos depois durante a semana. Antes da quarentena, o hábito era acordar por volta de 6h46, agora a média é 7h12, uma tendência comum já que as pessoas não precisam mais se transportar ao trabalho.