Fonte: CGI.br

Pesquisa do Cetic.br aponta ainda que metade dos brasileiros da classe DE acessa a Internet

A pesquisa TIC Domicílios 2018, lançada no dia 28 de agosto pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), aponta de forma inédita que um terço (32%) dos brasileiros que são usuários de Internet pediu táxis ou motoristas em aplicativos, o que representa 40,8 milhões de pessoas. Ainda segundo a pesquisa, 28% dos usuários pagaram por serviços de filmes ou séries on-line, 12% fizeram pedidos de refeições em sítios ou aplicativos e 8% pagaram por serviços de música.

Ainda no que se refere ao comércio eletrônico, a TIC Domicílios 2018 revela que 60% dos brasileiros conectados pesquisaram os preços de produtos e serviços, 34% fizeram compras ou encomendas on-line e 19% divulgaram ou venderam produtos e serviços. Os principais canais de divulgação e venda são as redes sociais (67%), os sítios de compra e venda (63%), mensagens em aplicativos de conversas (48%) e e-mail (13%).

Já entre os usuários de Internet que não adquiriram produtos e serviços on-line, a maioria prefere realizar compras pessoalmente (83%), não tem confiança no produto a ser recebido (62%), ou se preocupam em fornecer informações pessoais ou em usar o cartão de crédito pela Internet (59%). “Para além da conectividade, as habilidades digitais e a confiança no ambiente da Internet são fatores fundamentais para impulsionar o comércio eletrônico”, avalia Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

Uso da Internet

A TIC Domicílios 2018 revela que 70% dos brasileiros usou a Internet nos três meses que antecederam o estudo, o que corresponde a 126,9 milhões de pessoas. No recorte por classe socioeconômica, houve avanço no percentual de usuários das classes DE, que passou de 30% em 2015 para cerca de metade da população em 2018 (48%).

Em relação aos dispositivos utilizados, o estudo aponta que 85% dos usuários de Internet da classe DE acessa a rede exclusivamente pelo celular, 2% apenas pelo computador e 13% se conecta tanto pelo aparelho móvel quanto pelo computador. Também entre os usuários dessa classe socioeconômica, 29% acessam a Internet apenas via Wi-Fi. “É importante destacar que, apesar de cada vez mais brasileiros da classe DE usarem a Internet, esse acesso tem acontecido quase que exclusivamente por meio do telefone celular e das redes móveis, o que pode limitar o desenvolvimento de habilidades digitais mais complexas e a apropriação efetiva das tecnologias”, comenta Barbosa.

Conexão nos domicílios

Em relação ao acesso à Internet nos domicílios, a pesquisa revela que houve uma inversão nos últimos três anos na proporção daqueles que se conectam via cabo ou fibra óptica e aqueles que acessam a rede via linha telefônica (DSL). Em 2018, 10% dos domicílios conectados utilizaram a rede via DSL – em 2015, essa proporção era de 26%. Já o acesso via cabo ou fibra óptica passou de 24% (2015) para 39% (2018).

Na área urbana, o crescimento do uso de cabo e fibra óptica nos domicílios foi de sete pontos percentuais: de 34% (2017) para 41% (2018). “Os dados indicam um cenário de substituição das tecnologias adotadas pelos provedores de acesso à Internet, assim como a expansão das redes de infraestrutura. Os pequenos provedores desempenham um papel importante na oferta do serviço de acesso à Internet e na expansão dessa rede fora dos grandes centros urbanos”, avalia Barbosa. Segundo dados da pesquisa TIC Provedores 2017, 78% dos provedores disponibilizavam conexão via fibra óptica a seus clientes em 2017 (proporção que era de 49% em 2014).

Em sua 14ª edição, a TIC Domicílios realizou entrevistas em mais de 23 mil domicílios em todo o território nacional, entre outubro de 2018 e março de 2019 com o objetivo de medir o uso e apropriação das tecnologias da informação e da comunicação nos domicílios, o acesso individual a computadores e à Internet, atividades desenvolvidas na rede, entre outros indicadores.

Para acessar a TIC Domicílios 2018 na íntegra, assim como rever a série histórica, visite http://cetic.br/. Compare a evolução dos indicadores a partir da visualização de dados disponível em: http://data.cetic.br/cetic/explore?idPesquisa=TIC_DOM.