Fonte: BNDES

Sumário do estudo

O campo da Internet das Coisas (IoT) é uma oportunidade única para o Brasil capturar o seu valor. Até 2025, no mundo, a Internet das Coisas terá um impacto econômico de US$ 4 a 11 trilhões, maior do que robótica avançada, tecnologias cloud e até mesmo internet móvel. No Brasil, o impacto esperado é de US$ 50 a US$ 200 bilhões por ano, valor que representa cerca de 10% do PIB brasileiro.

A IoT vem ganhando espaço não por causa do surgimento de tecnologias disruptivas, mas pela evolução de um conjunto de tecnologias já disponíveis, que estão se tornando mais acessíveis, possibilitando sua adoção em massa.

O principal norte para a construção de um plano de ação para acelerar o desenvolvimento da IoT no Brasil foi a criação de uma aspiração para o país, discutida em todas as instâncias de governança do estudo:

“Acelerar a implantação da Internet das Coisas como instrumento de desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira, capaz de aumentar a competitividade da economia, fortalecer as cadeias produtivas nacionais, e promover a melhoria da qualidade de vida”.

O processo de priorização dos ambientes de aplicação foi baseado em uma matriz de priorização com três eixos: demanda, oferta e capacidade de desenvolvimento.

A partir da matriz de priorização, foram definidas quatro frentes de trabalho: Cidades, Saúde, Rural e Indústrias.

Para cada uma das frentes, ainda foram definidos os objetivos estratégicos para os ambientes priorizados, que identificam os desafios a serem solucionados pelo uso da IoT, gerando valor à sociedade.

Aspiração de Cidades: “Elevar a qualidade de vida nas cidades por meio da adoção de tecnologias e práticas que viabilizem a gestão integrada dos serviços para o cidadão e a melhoria da mobilidade, segurança pública e uso de recursos.”

Aspiração de Saúde: “Contribuir para a ampliação do acesso à saúde de qualidade no Brasil por meio da descentralização da atenção à saúde, da integração das informações dos paciente se da melhoria de eficiência das unidades de saúde.”

Aspiração de Rural:Aumentar a produtividade e a relevância do Brasil no comércio mundial de produtos agropecuários, com elevada qualidade e sustentabilidade socioambiental, e posicioná-lo como o maior exportador de soluções de IoT para agropecuária tropical.”

Aspiração de Indústrias: “Aumentar a produtividade da indústria local por meio de processos fabris mais eficientes e flexíveis, da integração das cadeias produtivas, e do desenho de produtos e modelos de negócios de maior valor agregado.”

De modo a organizar as medidas a serem implementadas dentro de um plano de ação, foram estruturadas diversas iniciativas organizadas em quatro horizontais: (1) Capital humano, (2) Inovação e inserção internacional, (3) Infraestrutura de conectividade e interoperabilidade, (4) Regulatório, segurança e privacidade. Para cada horizontal, foi definida uma série de objetivos específicos apresentados a seguir.

A horizontal Capital humano contribuirá para que o Brasil capture o potencial de IoT enquanto beneficia diretamente a população. Seus objetivos específicos são: (1) ampliar a força de trabalho qualificada em IoT nos ambientes priorizados, com foco na demanda; (2) despertar o interesse dos jovens em IoT e tecnologias da informação e comunicação (TIC); (3) fortalecer o corpo de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e de engenharia para IoT em classe mundial; e (4) promover a capacitação de gestores públicos para IoT.

A horizontal Inovação e inserção internacional visa a permitir que o Brasil aumente sua representatividade internacional em IoT e se torne referência em aplicações-chave. Seus objetivos específicos são: (1) estimular a experimentação, cooperação e disseminação de modelos de negócio bem-sucedidos; (2) aperfeiçoar e divulgar instrumentos de financiamento e fomento para instituições de pesquisa científica e tecnológica (ICTs) e empresas inovadoras; (3) construir ambiente para monitoramento contínuo e participativo do Plano de IoT; e (4) internacionalizar soluções locais em consonância com padrões globais e interoperáveis.

A horizontal Infraestrutura de conectividade e interoperabilidade será essencial para que IoT se dissemine no país. Seus objetivos são: (1) ampliar a oferta de redes de comunicação em conformidade com as demandas por serviços de IoT; (2) articular o tema de IoT em políticas públicas de ampliação de soluções e infraestrutura para conectividade; e (iii) promover a interoperabilidade e padronização de redes, dispositivos e soluções de IoT.

Por fim, a horizontal Regulatório, segurança e privacidade será um elemento habilitador importante para impulsionar a adoção de IoT. Seus objetivos são: (1) endereçar barreiras da regulamentação de telecomunicações, com vistas a acelerar o desenvolvimento de aplicações IoT; (2) criar um marco regulatório de proteção de dados pessoais adequado para fomentar a inovação e a proteção aos direitos individuais; (3) identificar e tratar questões regulatórias específicas nas verticaispriorizadas; e (4) estabelecer desenho institucional adequado para enfrentar os desafios em privacidade e segurança para IoT.

A estruturação de um Plano de Ação de IoT para o Brasil é um marco fundamental, pois permite a consolidação de uma visão estratégica sobre Internet das Coisas. Sua construção colaborativa engajou diversos atores dos setores público e privado, de associações empresariais à academia. Além de um levantamento de iniciativas representativo do ecossistema de IoT, esse processo de construção colaborativa potencializou o compromisso de atores-chave com o prosseguimento das ações do plano. O engajamento desses atores é uma valiosa contribuição deste estudo para o progresso de IoT.

Justamente pela importância do engajamento, o Plano de Ação proposto não se limita às iniciativas deste estudo ou à estrutura de governança que o conduzirá nos próximos cinco anos.

Este estudo técnico, conduzido de forma inovadora, servirá de base para o Plano Nacional de Internet das Coisas, que está próximo de ser instituído mediante publicação de um Decreto da Presidência da República. Ao identificar os principais gargalos para a expansão de IoT e propor um conjunto robusto de iniciativas para endereçá-los, permitirá que o país se torne protagonista em seu desenvolvimento.

O maior desafio agora reside na implementação das iniciativas e a continuidade do engajamento dos diversos atores necessários para o sucesso do Plano. No entanto, o resultado do esforço será recompensado com impactos volumosos na economia e na qualidade de vida dos brasileiros.

Baixe todos os relatórios do Estudo de IoT no site do BNDES ou no site do MCTIC
http://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/conhecimento/estudos/chamada-publica-internet-coisas/estudo-internet-das-coisas-um-plano-de-acao-para-o-brasil

http://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/tecnologia/SEPOD/politicasDigitais/internet_coisas/_iot/Estudo_IoT.html

Para mais informações, entrar em contato por meio do Fale Conosco do site do BNDES