Fonte: BBC Brasil
Por: Fernanda Odilla

A delegada Eugênia Villa viu o rumo da carreira mudar quando ouviu uma vítima que teve a orelha arrancada pelo marido como “castigo por traição” | Foto: Cortesia Eugênia Villa/Facebook

Fazia pouco tempo que a delegada Eugênia Villa havia entrado para a Polícia Civil do Piauí quando um escrivão apareceu com um pedaço de orelha dentro de um frasco transparente. Era de uma mulher que havia traído o marido. Como castigo, ele decidiu cortar a orelha da companheira.

“Eu ouvi a mulher. No depoimento, ela declarou ser merecedora do castigo. Disse que o companheiro tinha razão em cortar a orelha”, conta a delegada. “Isso me tirou do eixo, porque eu nunca havia visto casos dessa natureza serem abordados na faculdade”, completa Villa.

Dezessete anos depois do episódio, a delegada chegou a Londres nesta semana para conhecer e aprender com a polícia britânica. Mas ela também vai poder compartilhar um conjunto de iniciativas que lhe rendeu prêmios no Brasil por mudar práticas dentro da polícia e ajudar a salvar vidas no Piauí. Entre elas está a criação de um aplicativo para celular que facilita a denúncia de casos de violência.

Desde o dia em que ouviu da vítima que o “castigo era merecido”, Villa, que antes de se formar em Direito fez arquitetura, decidiu direcionar a carreira para buscar soluções para casos de violência contra a mulher. Voltou para a universidade. Fez especialização, mestrado e, agora, cursa o doutorado.

Leia em: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-42492588