Fonte: ABES

Depois de décadas de promessas e algumas frustrações, a inteligência artificial (IA) está finalmente começando a oferecer benefícios da vida real às empresas, segundo avaliação da consultoria McKinsey, que já estão presentes no varejo para controle e reposição de estoque, para prever a demanda de eletricidade no mercado de utilities ou sendo aplicados pelos fabricantes de automóveis autonômos.

Entre os fatores que estimulam essa essa nova onda de desenvolvimento de IA estão o poder do computador em crescimento, os algoritmos e os modelos IA que estão se tornando mais sofisticados e, talvez o mais importante de tudo, o mundo está gerando volumes inimagináveis do combustível que alimenta os sistemas de IA: os dados. Bilhões de gigabytes de dados são gerados todos os dias, coletados por dispositivos em rede, desde navegadores da web até sensores de turbina. Por todo esse investimento, grande parte da adoção de AI fora do setor de tecnologia está em fase inicial e experimental. Poucas empresas implantaram-na em escala.

O relatório de análise elaborado pelo McKinsey Global Institute, “Inteligência artificial: a próxima fronteira digital?”, inclui uma pesquisa de mais de 3.000 empresas conscientes de IA em todo o mundo. A consultoria aponta que os primeiros adotantes de IA tendem a estar mais próximos da fronteira digital e são as empresas maiores dentro de seus setores, que usam a tecnologia para para aumentar as receitas, bem como reduzir custos e contam com o apoio total da liderança executiva. As empresas que ainda não adotaram a tecnologia IA em escala ou em uma parte central de seus negócios não tem dúvidas sobre os retornos que elas podem esperar de um investimento de IA.

No entanto, evidências iniciais sugerem que a IA pode oferecer valor real às empresas que desejam usá-la em todas as operações e dentro de suas funções principais. Nesta pesquisa, os primeiros adotantes de AI que combinam capacidade digital forte com estratégias proativas têm margens de lucro maiores e esperam que a diferença de desempenho com outras empresas se alargue nos próximos três anos.

Para download do estudo “Inteligência artificial: a próxima fronteira digital?”, clique aqui.