Segurança e Cidadania

Fonte: ABES

A Internet das Coisas é algo relativamente novo no universo da tecnologia e computação, no que se refere à interligação de equipamentos, acesso e troca de dados pela web. Apesar disso, é um conceito está cada vez mais próximo de nossas casas e cada vez mais presente nos locais de trabalho e na gestão pública.

O Gartner prevê que haverá mais de um bilhão de dispositivos conectados em uso até 2018 no mundo apenas nas smart homes, sem considerar setores como saúde, transporte, indústria, entre outros. As pessoas estão pedindo por coisas mais inteligentes para aliviar suas vidas diárias ou ser uma fonte de lazer e diversão. Por outro lado, o uso de assistentes pessoais, eletrônicos e eletrodomésticos conectados exige cuidados com a segurança cibernética e da informação. Sobre esse assunto, o portal da ABES entrevistou Aloísio Marinho, especialista em segurança da Trend Micro, que apresentou várias dicas de acordo com o tipo de equipamento.

“A realidade para usuários domésticos é que nem todos os dispositivos inteligentes possuem medidas básicas de segurança incorporadas. Isso dá ao usuário, a responsabilidade de configurar e usar os dispositivos com atenção”, alertou Aloísio.

Abaixo estão algumas medidas de segurança práticas que podem ser aplicadas em sua casa.

1- Configure seus dispositivos inteligentes para segurança

Certifique-se de que os dispositivos IoT da sua casa possuem capacidade de criptografia e certifique-se de que elas estejam ativadas por padrão. A ativação da criptografia pode impedir as tentativas de comprometer dados confidenciais nos dispositivos, em caso de ataque hacker.

“Verificar todas as configurações padrão dos dispositivos e saber como modificá-los, permite ao usuário personalizar as características que melhor atendam às suas necessidades, mantendo a sua privacidade e segurança pessoal intacta”, explicou Aloísio. Ou seja, é preciso ler com atenção o manual de instalação e funcionamento e buscar mais informações técnicas, se necessário.

Além disso, certifique-se de verificar se todos os seus gadgets estão com sistemas (softwares) atualizados. “Atualize regularmente seu firmware para as versões mais recentes sempre que receber alguma notificado para fazê-lo. Muitos dispositivos ainda possuem um recurso de atualização automática que faz isso para você”, explicou.

A atualização dos dispositivos pelo menos uma vez por mês deve reduzir o irisco de ser invadido por vulnerabilidades não corrigidas. Fazer backup ou salvar cópias dos arquivos de configuração originais de seus dispositivos também deve fornecer a opção de restaurar as configurações do equipamento ao seu estado anterior em caso de falha imprevista.

2- Proteja seu roteador doméstico

O usuário deve considerar o roteador doméstico como o gateway para todos os dispositivos conectados à Internet em sua casa inteligente. Alguns atacantes conseguem comprometer os roteadores domésticos, pois muitos modelos possuem credenciais padrão que os usuários domésticos geralmente esquecem de mudar. É por isso que sempre é importante criar uma senha de roteador forte logo depois de configurá-lo.

3- Mude suas senhas com frequência

Não é suficiente que você coloque uma senha em seu roteador ou em seus dispositivos inteligentes. As senhas podem cair nas mãos erradas, especialmente quando você tem pessoas que visitam sua casa, perguntando se podem se conectar ao seu Wi-Fi ou sincronizar seus próprios aparelhos. “Muitas vezes, mudar suas senhas pode impedir que pessoas externas acessem seu roteador e dispositivos. Certifique-se também de usar senhas únicas para cada um dos dispositivos IoT da sua casa. Se caso um atacante descobre uma das suas senhas, a possibilidade de seus outros dispositivos serem hackeados será menor”, alertou o especialista da Trend Micro.

Além disso, crie senhas longas e complexas. Se os dispositivos permitirem, o melhor é usar uma combinação de letras maiúsculas e minúsculas, números e caracteres especiais. Tanto quanto possível, não inclua nomes, aniversários ou endereços, uma vez que essas informações podem ser usadas para adivinhar suas senhas em tentativas de força bruta.

4- Revise o histórico de logs de seus dispositivos

Alguns dispositivos inteligentes permitem que o usuário verifique os registros de atividades sempre que se conectem à internet. Leia o modelo do dispositivo em particular se ele tiver essa capacidade de conexão. Alguém na família, que seja mais experiente em tecnologia, pode ser designado para monitorar e revisar regularmente registros de dispositivos para qualquer atividade suspeita. Por exemplo, muitas câmeras de segurança doméstica permitem aos usuários visualizar o histórico de endereços IP que acessaram seu feed. Ao passar pelos logs, você pode descobrir se estranhos estiveram atentos à sua casa.

5- Proteja seu smartphone

Uma vez que vários dispositivos IoT podem ser controlados através de dispositivos móveis por meio de um aplicativo, o smartphone também precisa ser protegido e as diretrizes padrão de segurança móvel devem ser aplicadas. “Verifique se o seu smartphone está atualizado com a versão mais recente do firmware. Baixe apenas aplicativos legítimos de seus provedores de dispositivos inteligentes e reveja as permissões do aplicativo antes de instalá-los em seu smartphone. A instalação de um aplicativo de segurança móvel também pode impedir que aplicativos ou códigos maliciosos sejam executados em seu telefone”, concluiu.