Segurança e Cidadania

Fonte: Empreendedor Legal
http://empreendedorlegal.org.br

Com pouco investimento, elas podem poupar o empresário de danos financeiros e de muita dor de cabeça

Recentes ataques globais de hackers têm afetado centenas de países em todo o mundo e acendem a discussão sobre a importância de se proteger as informações das empresas na esfera digital.

Para ficar tranquilo neste universo de dados sigilosos e importantes, a cybersecurity precisa fazer parte do dia a dia dos negócios e pode ser alcançada através da comunicação com colaboradores, da escolha de parceiros e fornecedores éticos e com a implantação de uma boa gestão de ativos, o que vai desde compra de um computador até a aquisição e licença de uso de softwares originais.

Informação é o bem mais precioso

Segundo um relatório global do McAfee Labs, uma das maiores fontes de pesquisa e liderança em ideias sobre segurança digital no planeta, o primeiro trimestre de 2017 foi uma temporada e tanto no mundo cibernético. As proteções do McAfee GTI contra URLs maliciosos passaram de 57 milhões para 66 milhões por dia nesse período, o que demonstra que a quantidade de ameaças aumentou.

Marcus Almeida, gerente de Inside Sales & SMB da McAfee, explica que o empreendedor ou pequeno empresário, muitas vezes, não conhece o real valor das informações que tem e por isso acha que não deve se preocupar com a segurança. “É um erro acreditar que os ataques cibernéticos são preocupações de grandes corporações ou que as soluções de segurança são caras demais para os pequenos negócios”.

Segurança é feita de tecnologia, pessoas e processos

Segundo Almeida, os empresários podem adequar soluções de segurança ao tamanho de cada negócio, começando com um bom antivírus e filtro de web, além de uma cópia de segurança atualizada para restaurar os dados, caso seja vítima de ransomware, um tipo de vírus que sequestra o computador da vítima e cobra um valor em dinheiro pelo resgate.

O especialista também ressalta que a segurança não pode depender só de tecnologia, mas do tripé formado por ela, por pessoas e processos. “Não adianta ter uma boa solução de segurança e manter um comportamento de risco como navegar em sites suspeitos, baixar conteúdo pirata ou clicar em links suspeitos recebidos por e-mail”, ressalta.

Passos simples para você começar agora!

Dicas de segurança para proteger seu negócio de cibercrimes

Francisco Camargo é presidente da ABES, associação que representa mais de 1.500 empresas de Tecnologia da Informação

Francisco Camargo, presidente da ABES, associação que representa mais de 1.500 empresas de Tecnologia da Informação, explica que priorizar o uso do software original em toda a cadeia de valor é o primeiro passo para ter mais segurança com os dados da empresa, já que programas piratas são a porta de entrada para vírus que roubam as informações, causando prejuízo e muita dor de cabeça para o empresário.

Camargo cita 5 dicas que todo usuário pode aplicar para se proteger no mundo cibernético:

1. Faça um backup
Faça isso diariamente com seus dados, fotos, documentos. Existem serviços baratos e até gratuitos para se fazer isso na nuvem.

1. Seja prudente
Desconfie de sites e e-mails que tentam influenciar o seu medo, a sua ganância. Nunca abra anexos ou clique em links sem verificar a procedência. O seu banco nunca vai enviar um e-mail exigindo que você atualize os dados em 24 horas, nem vai enviar um contrato para ser assinado.

2. Atualize o seu software
Fabricantes investem muito tempo e dinheiro identificando vulnerabilidades e soltam periodicamente Patches de Atualização do seu sistema operacional, como Windows, Apple, Office, Adobe, entre outros. Evidentemente, isso só vale para softwares que não são piratas. Nunca faça o download de softwares irregulares, pois podem ter uma “surpresa” escondida.

3. Tenho um bom antivírus e um bom antispam
Há opções baratas ou mesmo grátis na internet, que quando atualizados bloqueiam quase todos os ataques. Não se esqueça de ativar a funcionalidade antispam do seu provedor de e-mails para proteger os usuários como um todo em sua empresa. Oriente-os a respeito.

4. Ative o firewall do seu Windows
Ele pode até ficar um pouco mais lento, mas este é o preço da segurança. Para as empresas, de novo as UTMs ou firewalls são a melhor solução.

“São medidas simples que o pequeno comerciante, o prestador de serviços ou mesmo o usuário doméstico podem implantar não só para se proteger, mas para proteger toda a sociedade, pois não estarão espalhando vírus para outros usuários”, ressalta o presidente da ABES.

Cybersecurity e as PMEs

De acordo com um estudo da BSA The Software Alliance, uma das maiores defensoras da propriedade intelectual do segmento de software no mundo, 65% de todos os ataques digitais (correlacionados ao uso ilegal de programas de computador) em 2015 atingiram PMEs, causando danos financeiros e prejuízo à reputação delas.

A L3, empresa que oferece soluções completas de consultoria, tecnologia, treinamento e suporte para o setor público e privado, faz parte dos números que engrossam estatísticas do ano seguinte a esse estudo.

“Tivemos uma ocorrência em setembro de 2016. No nosso caso foi um problema de engenharia social ao deixar uma máquina exposta na internet com usuário e senha fraca, mas felizmente conseguimos retornar os backups e descriptografar todos os arquivos logo depois”, explica o executivo da L3, Leandro Lopes.

A empresa, que possui uma política baseada nas melhores práticas de mercado e uma suíte de proteção, migrou a maioria dos serviços para a nuvem e alerta para os riscos de exposição.

“Neste cenário, reconhecemos e priorizamos o uso de software original, uma vez que programas não licenciados têm forte correlação com ataques digitais. Sem software original não há como manter as informações seguras e atualizadas”, lembra Lopes.