Para garantir qualidade, reduzir o desperdício e diminuir as perdas pós-colheita dos alimentos, especialmente durante o transporte da carga e o seu armazenamento nas centrais de abastecimento, o Centro de Excelência em Tecnologia Avançada (Ceitec) desenvolveu microchips, visando aperfeiçoar o gerenciamento da logística de frutas e hortaliças. A tecnologia opera em três linhas: identificação automática, lacre eletrônico e registrador de temperatura.

O chip de identificação automática realiza o rastreamento e controle dos itens – como local e tempo de armazenagem – a partir de antenas de radiofrequência. Este mecanismo permite que centenas de itens sejam identificados e contados em um palete, sem que ele seja desmontado, economizando tempo e minimizando a manipulação dos produtos.

A tecnologia do segundo chip, lacre eletrônico, acusa o rompimento da embalagem na qual está fixado, permitindo, dessa forma, um tratamento diferenciado de itens de maior valor agregado ou mais sensíveis. Esta ferramenta garante que seja entregue exatamente aquilo que foi embarcado para o transporte.

O terceiro chip é um registrador de temperatura para gerenciamento da “cadeia do frio”, ou seja, das operações logísticas que ocorrem em baixa temperatura. Ele considera os desvios de temperatura durante o transporte ou armazenamento, que podem reduzir substancialmente o tempo de vida do produto em prateleira. A tecnologia registra o histórico da temperatura do item e o apresenta no smartphone/tablet do operador. Com o chip, tais alterações podem ser prontamente identificadas, convertendo-se em melhorias de qualidade do produto.

BulletOutros casos na área de Agropecuária